Grande parte dos problemas que assolam as sociedades modernas, passa pela falta de respeito, isso mesmo falta de respeito, talvez se praticássemos mais o respeito, o cenário econômico, político e social do nosso país e do mundo fosse bem melhor.

Senão vejamos, se houvesse mais respeito ao patrimônio público, não haveria tanta pichação nos monumentos históricos, não haveria tantos banheiros públicos vandalizados, prédios públicos totalmente destruídos. Não haveria tantas escolas e hospitais em situação precária de funcionamento.

Se houvesse mais respeito pelo trabalho dos garis e das prefeituras e da população com consciência social, não haveria tanto lixo jogado nas ruas e avenidas, a cidade seria mais limpa e a proliferação de doenças decorrentes dessa prática seria minorada.

Se houvesse mais respeito pelo erário, não haveria tantos problemas sociais, tantos hospitais públicos com deficiência na sua infraestrutura, com falta de medicamentos básicos, não haveria tantas estradas esburacadas e em péssimo estado de conservação, haveria mais leitos nos hospitais, mais vagas nas escolas, haveria mobilidade urbana adequada.

Se houvesse mais respeito por parte de alguns servidores públicos, o serviço prestado a população seria melhor, mais eficiente e menos dispendioso.

Se houvesse mais respeito às leis, não haveria tantos presídios e tantos crimes hediondos, não haveria tantos assaltos e violência. Aliás, estamos vivendo tempos de extrema violência: violência doméstica, violência nas ruas, nas escolas. Constata-se a falta de respeito pelo maior bem existente, a vida humana, com a ocorrência de tantos assassinatos a todo instante.

Num mundo permeado por pessoas que só enxergam seus direitos, num mundo em que o politicamente correto impera, devemos lembrar que politicamente correto é o respeito ao próximo, respeito às leis, às normas, respeito às gerações futuras. E que antes dos nossos direitos, devemos lembrar dos nossos deveres e obrigações.

Respeito enfim é a base de uma sociedade justa, desenvolvida e civilizada.

Carlos Alberto Menezes da Costa

O autor é administrador, teólogo, pós graduado em metodologia do ensino superior e palestrante.