eleices

Reta final de campanha eleitoral municipal em todo o Brasil. Será nesse próximo domingo (02/10/2016), o dia para a escolha dos candidatos aos cargos de Prefeito e Vereador. Em Porto Velho são 7 (sete) candidatos a Prefeito e 406 (quatrocentos e seis) candidatos a Vereador. São tantos candidatos que se torna difícil selecionar os melhores ou os menos ruins.

Para a escolha de um bom candidato tanto para prefeito como para vereador, os eleitores portovelhenses haverão de adotar pelo menos alguns critérios básicos, vamos a algumas dicas: 1. conhecer o candidato; 2. saber de sua história; 3. ter informações sobre seus antecedentes; avaliar sua competência/preparo para assumir o cargo que pretende; e 4. observar atentamente o seu discurso, para então avaliar a coerência com relação às suas pretensões. Pelo menos, esses critérios deverão ser cuidadosamente verificados para não serem enganados na escolha de seus representantes.

Hoje, com a facilidade que a tecnologia nos oferece, fica mais fácil, pesquisar sobre os nomes dos candidatos. Basta por exemplo, você acessar a internet e digitar no Google o nome do candidato que você pretende pesquisar, acompanhado de uma das seguintes palavras: “corrupção”, “operação policial”, “prisão”, “improbidade”, ou qualquer outro nome que lembre uma operação policial, ou crime praticado por agentes públicos, aí você conhecerá fatos em que alguns candidatos já tiveram de uma forma ou de outra, problema com a justiça (investigação, condução coercitiva, prisão, entre outras questões que maculam o exercício da função pública) por envolvimento em corrupção, conforme se tem conhecimento de alguns fatos já veiculados em órgãos de comunicação.

Muito difícil fazer a escolha, especialmente se tivermos que analisar, a retidão do candidato (não ter se envolvido em qualquer problema de corrupção ou outro crime mais comum), a competência para o cargo que pretende se eleger, e o discurso coerente para o seu cargo pretendido. Não acredito, que essas características, estejam presentes em um só candidato, quer seja para o cargo de executivo ou para o cargo de legislador municipal. Mas é possível, se escolher o menos ruim ou o que mais se aproxima dessas características reunidas.

É certo também, que nem todos os agentes públicos que têm os seus nomes citados em operações policiais, ou de qualquer forma têm seus nomes envolvidos com a corrupção, são verdadeiramente culpados. Existem sim, aqueles que conseguem provar sua inocência, ou que não teve a participação efetiva em crimes. Porém, vale lembrar, que da mesma forma que existem agentes públicos que têm seus nomes citados em operações, existem também, agentes públicos que exerceram ou exercem seus cargos públicos (inclusive como gestor público) durante toda a sua vida, e nunca tiveram seus nomes envolvidos ou citados em operações policiais contra a corrupção. Isso, tem que ser considerado e que sirva como exemplo para quem quer ocupar um cargo público, especialmente os cargos eletivos. ABRA O OLHO ELEITOR. Tenho dito!

Tenho Dito!

Zamyrton Rocha

O autor é Jornalista, escritor, bacharel em Direito, palestrante e consultor político. Possui experiência de mais de 30 anos em campanhas eleitorais, na coordenação e elaboração de planejamento, estratégias e mobilização.