Presidente sai às ruas do DF em meio à pandemia
FOTO: (Divulgação)

O presidente Jair Bolsonaro disse que tem “pronto na mesa” um decreto para “considerar essencial toda atividade exercida pelo homem ou mulher que seja indispensável para levar o pão de cada dia pra casa”, mas que se sente ameaçado por “todos os lados” por defender o direito do brasileiro de voltar ao trabalho.

“Sei que tem ameaça até de buscar meu afastamento sem amparo legal pra isso”, denunciou. As declarações foram dadas em entrevista ao programa do jornalista Augusto Nunes na rádio Jovem Pan, na noite desta quinta-feira (02/04).

Ao longo do dia, Bolsonaro voltou a subir o tom contra governadores como João Doria (PSDB), de São Paulo, por causa das medidas de isolamento social impostas por eles para conter o contágio da população pelo coronavírus.

“Nossa despesa total no combate ao coronavírus está na casa dos R$ 600 bilhões, é uma conta que a gente não esperava, caríssima, mas bem demonstra nossa preocupação”, disse, “mas eu fui à Ceilândia e a situação dos ambulantes, que são 38 milhões no Brasil, é desesperadora”, disse ele.

Para Bolsonaro, o impacto econômico da quarentena trará uma “segunda onda” que ele considera pior do que a crise de saúde pública provocada pela pandemia.

O presidente tem defendido que pessoas que não estão nos grupos de risco de morte pela Covid-19 voltem às suas atividades laborais.

 

 

FONTE: METRÓPOLES