Jair Messias Bolsonaro, é o novo presidente do Brasil. E assim foi realizada a vontade do povo. Agora é acompanharmos passo a passo tudo o que ele disse e fez em defesa da nação brasileira, antes de ser candidato e antes das eleições. E é notório, que mesmo depois da eleição ele tem demonstrado que irá continuar combatendo a tudo que resulta em prejuízo para o Brasil e por conseguinte para os brasileiros. Vamos lembrar aqui, alguns pontos que segundo ele (Bolsonaro) combaterá efetivamente para transformar nosso país em uma nação forte: o combate à corrupção de toda ordem, à criminalidade (reduzindo, inclusive, a maioridade), à ideologia de gênero às crianças nas escolas, entre outros fatores que o povo brasileiro já não suportava mais, disse mais, que para toda e qualquer conduta delitiva (a prática de crimes), a lei será exercida com rigor de forma igual para TODOS.

Ele também, falou em defender e proteger: a família brasileira, o crescimento da economia, aumentar a oferta de emprego e renda, valorizar o profissional de acordo com a sua produção, entre outros fatores. Claro, acredito que tudo isso seja possível. Agora tem um tema que está causando preocupação (assunto atual e importante para o ajuste de contas dos cofres públicos), é a tão falada e discutida reforma previdenciária. Especialistas dizem que é necessária a reforma. E dita por especialistas no assunto, temos que concordar. Porém, até o momento não vi nenhum pronunciamento, quanto aos efetivos devedores da previdência. E não se pode promover pura e simplesmente uma reforma para sacrificar tão somente os contribuintes.

Deve-se a meu ver, PARALELAMENTE à reforma previdenciária, exigir dos devedores/sonegadores/inadimplentes (empresas públicas e privadas), o pagamento de suas cotas-partes, que somam trilhões de reais (isso por si só, salvo melhor juízo, já reduziria e muito, o encargo dos ônus a ser atribuído apenas aos contribuintes trabalhadores, que por sua vez, já pagaram direto na fonte suas contribuições, e em muitos casos, não foram repassados aos cofres públicos pelas empresas. Assim, sendo, fica aqui a preocupação que acredito, seja também a preocupação de muitos brasileiros.

Tenho dito!

Zamyrton Rocha

O autor é Jornalista, escritor, bacharel em Direito, palestrante e consultor político. Possui experiência de mais de 30 anos em campanhas eleitorais, na coordenação e elaboração de planejamento, estratégias e mobilização.