CAERD não negocia acordo e trabalhadores entram em greve

caerdCansados de tanto desrespeito e falta de consideração, os/as trabalhadores/as da CAERD decidiram, em assembleia realizada no dia 27/07, em frente à sede da empresa, que entrarão em greve por tempo indeterminado, a partir da zero hora, do dia 09/08/16.

Foi esse o caminho que a direção da CAERD escolheu, ao ignorar a categoria por mais de 90 dias, se negando a apresentar proposta para o Acordo Coletivo de Trabalho – ACT 2016-2018. Durante a greve apenas os serviços essenciais serão mantidos.

Desde o dia 19 de abril, quando foi protocolada a pauta de reivindicação na empresa, que esta diretoria vem “empurrando com a barriga” a negociação do ACT dos trabalhadores, até repor a inflação do período de maio/2015 a abril/2016, de 9,83% que é um direito do trabalhador, esta diretoria se recusa.

O Sindicato e os trabalhadores cobram responsabilidade e respeito desta diretoria, pois não está sendo discutido o acordo coletivo com uma empresa qualquer, mas sim com uma empresa que tem grande importância no desenvolvimento econômico e compromisso social no Estado de Rondônia.

Como admitir uma contraproposta sem reajuste, aquém de repor as perdas salariais e incapaz de atender com dignidade os anseios dos trabalhadores que ao longo de anos vem se empenhando ao máximo para fortalecer o saneamento básico no Estado.

O sentimento de todos os trabalhadores é de indignação com a postura da CAERD. Se o momento político está conturbado, a culpa não é dos trabalhadores, é preciso que a empresa assuma sua responsabilidade nesse processo negocial.

Enquanto isso a empresa dar continuidade as contratações de cargos comissionados, sem concurso público, com remunerações que variam de R$ 2.500,00 á 12.000,00 reais, totalizando um valor de mais de R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais/mês) para a folha da CAERD, quando alega a impossibilidade da reposição salarial ante a atual situação financeira da Empresa.

A população Rondoniense sofre por falta de água e esgoto sanitário, NÃO tem dinheiro para investir em saneamento, mas tem dinheiro para bancar seus cargos de confiança, que no período de janeiro de 2014 a maio de 2016 custaram para os cofres da Caerd mais de R$ 12.000,000,00 (doze milhões de reais) valores estes que poderiam serem investidos em Saneamento Básico.

Dizer que a Caerd está em crise financeira, não convence, pois é uma empresa única no estado, que leva o bem mais precioso para as famílias rondonienses.

Quando assumiram esta gestão eram apenas 04 cargos comissionados, passou para 38, depois 76 e agora já deve está passando dos 100.

Será se a CRISE FINANCEIRA, não está aí? O SINDUR NÃO exige aumento salarial, o que estamos reivindicando é reposição salarial, a inflação medida pelo INPC/IBGE no período de maio de 2015 a abril de 2016, considerado como perdas salariais deste período.

Queremos um Acordo Coletivo de trabalho JUSTO. Essa diretoria da CAERD é omissa, fraca e desrespeitosa com os seus trabalhadores e sequer apresenta uma contraproposta, simplesmente não negocia nada, algo inédito na Companhia, já que a mesma possui autonomia administrativa e recursos próprios.

Os trabalhadores(as) estão unidos em torno desta mobilização, visando alcançar vitória neste processo.

O Sindicato espera que a direção da empresa abra o diálogo, use do bom senso e apresente proposta para o ACT/2016-2018 evitando mais desgaste e prejuízos para todos.

Assessoria