Corrupção e Previdência!!! Quem paga a conta?

R$ 426 bilhões de reais: é o quanto as empresas brasileiras devem ao Instituto Nacional do Seguro Social – INSS, a conhecida Previdência Social Brasileira. É mole ou quer mais?!!!

O valor da dívida é 3 vezes maior do que o valor do provável e chamado déficit do INSS, anunciado pelo Governo Federal, em 2016. Esse valor: R$ 426 bilhões de reais é um dado fornecido pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional – PGFN (órgão do Governo Federal).

Desse montante, segundo estudo e dados fornecidos pela PGFN, parte dessa dívida de R$ 426 bilhões de reais, são débitos de empresas que já faliram ou estão em processo de falência. Mas que a maior parte da dívida relaciona-se a empresas ainda em atividade. Informações publicadas no Site Repórter Brasil, no dia 13/02/2017.

Bem esses valores aqui relatados são apenas para ilustrar e fazer um demonstrativo ao cidadão brasileiro do quanto nossos representantes executivos na esfera federal são maus gestores; que ao longo dos anos eles sequer tiveram a menor preocupação em fazer com que grandes empresas, dentre elas, algumas públicas, cumprissem seus deveres obrigacionais com a nossa previdência, repassando a parte que lhes são devidas.

Somados a esses R$ 426 bilhões de reais, podemos citar aqui mais alguns repasses de milhões de reais que o Governo Federal depositou nas contas de entidades como: UNE (União Nacional dos Estudantes), MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto), entre outros; além de quantias faraônicas retirados do BNDES destinadas a países como Cuba, Venezuela e outros; e mais, juntando-se a tudo isso, devemos lembrar também, da fortuna trilionária que serviram única e exclusivamente à corrupção encampada no Brasil, certamente seria incalculável a exatidão de valores em moeda corrente nacional que saíram e saem pelo ralo.

Mas é preciso que se faça uma reflexão, não muito profunda, porque diante de toda essa desordem financeira, é fácil se entender que o cidadão brasileiro não deve nada à nação. Os verdadeiros devedores estão nas esferas mais abastardas, dentre eles, boa parte de empresários (devedores) grande parte dos políticos (corruptos), que pelos números aqui citados, não demonstram qualquer preocupação com a sustentabilidade do Brasil, e muito menos estão preocupados com o futuro dos brasileiros, porque se estivessem preocupados com isso, empresários pagavam suas contribuições e obrigações, políticos não cometiam corrupções e cumpririam seus deveres nas mais diferentes esferas da administração pública.

Assim sendo, deixamos aqui alguns questionamentos: Como podemos admitir que o povo brasileiro pague uma conta que ele já pagou? Como podemos admitir e aceitar uma reforma na Previdência, seja aos servidores públicos ou a qualquer outra classe de trabalhadores, sendo que o dinheiro que pode corrigir esse duvidoso déficit na Previdência está nas mãos de grandes empresários? E se a Previdência está em déficit, como anuncia o Governo Federal, porque então, a União se utiliza do expediente da Desvinculação de Receitas da União – DRU em 30% daquilo que arrecada a Previdência? Não está em déficit? Então pra quê retirar dinheiro de onde não tem suporte?

Sinceramente, não sei na cabeça de quem, é possível acreditar que a resolução da crise econômica que o país atravessa esteja na reforma da previdência. Ou então, querem a todo custo subestimar a inteligência do povo brasileiro.

Que os gestores públicos (políticos executivos e legislativos) tomem providências contra quem deu causa a todo esse descalabro financeiro que desequilibrou a economia do Brasil, quer seja contra empresários inadimplentes ou contra corruptos instalados e sustentados pelo poder. O povo não aguenta mais pagar a conta com sangue, suor e lágrimas.

E por fim, temos que ter a consciência que não devemos nada para a nação brasileira. Assim sendo, sejamos todos contra a reforma da previdência. Devemos unir todas as forças e mobilizações para dizer não a essa truculenta tentativa de sacrificar mais uma vez os trabalhadores brasileiros.

Zamyrton Rocha

O autor é Jornalista, escritor, bacharel em Direito, palestrante e consultor político. Possui experiência de mais de 30 anos em campanhas eleitorais, na coordenação e elaboração de planejamento, estratégias e mobilização.