Durante participação no Brazil Forum UK, na Universidade de Oxford, no último sábado (5), a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) disse que se arrependeu de ter assinado a lei que criou a delação premiada.

“Infelizmente eu assinei a lei que criou a delação premiada. Por que infelizmente? Porque ela foi assinada genericamente, sem tipificação exaustiva. E a vida mostrou que sem tipificação exaustiva, ela poderia virar uma arma de arbítrio, de absoluta exceção. Quem assinou? Quem fez as leis? Foi alguém de algum outro partido político? Não, foi o meu partido, porque fui eu que assinei”, declarou.

Segundo informações da Folha de S. Paulo, o evento foi promovido por estudantes brasileiros que vivem no Reino Unido. Na oportunidade, a petista voltou a afirmar que o partido não tem nome alternativo ao do ex-presidente Lula para a campanha presidencial deste ano.

“Lula é inocente. Não é que não há provas, a verdade é que não há crime. Nos enfraqueceria se ele não for candidato a presidente nas próximas eleições. Nós iremos sustentar a posição de inocência do Lula. Não cabe a um inocente ser retirado. Não vamos tirá-lo das eleições de 2018. Se ele participar, ele ganha”, afirmou.

O ex-presidente está preso, desde o dia 7 de abril, na superintendência da Polícia Federal em Curitiba. Ele cumpre pena de 12 anos e um mês de prisão, pelos crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, no caso do triplex no Guarujá (SP).