ELEIÇÕES 2016 – Hildon reafirma compromisso com redes de saneamento básico

hildon 1_2O candidato a prefeito pela coligação ‘Juntos por uma Porto Velho Melhor PSDB/PSDC’, ex-promotor Hildon Chaves, renovou seu compromisso com o enfrentamento de um dos grandes problemas de Porto Velho, a falta de redes de coleta e tratamento de esgoto. Segundo ele, “há mais de 4 mil anos a engenharia humana já tinha resolvido o problema de esgotamento sanitário, assim como escoamento de águas pluviais e abastecimento de água potável de modo contínuo, mas em Porto Velho ainda vivemos a escuridão do saneamento”.

O candidato tucano cita o engenheiro Eugène Belgrand, que no século XIX salvou Paris da peste, assim como seu colega britânico Joseph Bazalgette, que projetou um sistema de esgotamento sanitário para Londres com 21 mil quilômetros, e acabou com mais de 200 mil fossas sépticas que constantemente transbordavam. Somente em 1832 mais de 50 mil pessoas morreram em Londres por doenças causadas pela falta de esgotamento sanitário.

“Quando Porto Velho surgiu há um século, a engenharia humana já tinha resolvido todos os principais problemas de infraestrutura. E hoje, século XXI, a população sofre e pessoas morrem simplesmente porque o descaso com o básico é gritante.

Minha proposta é simples: através de uma parceria público-privada uma empresa será contratada para dar solução a estes problemas de rede de esgotamento sanitário com estações de tratamento; rede de distribuição de água potável de modo contínuo e rede de esgotamento de águas pluviais que vão acabar com as enchentes. Porto Velho merece mais! Vamos juntos, Porto Velho!”, conclama.

O projeto que o candidato tucano vem gestando desde que começou a discutir-se a possibilidade de assumir a candidatura a prefeito pelo PSDB, revela-o como um homem de visão diferenciado do político comum, aquele que aborda todos os setores da administração pública, com soluções esparsas e genéricas, sem, contudo, detalhar a viabilidade das soluções.

Não sem sentido, o projeto de PPP (Parceria Público Privada) proposto por Hildon Chaves para investimento em saneamento básico, encontra ressonância no governo do presidente interino, Michel Temer, que quer incentivar parcerias com o setor privado para ampliar as redes de tratamento e coleta de esgoto.

Na ultima sexta-feira (12), o secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) da Presidência, Moreira Franco, confirmou que o setor de saneamento básico faz parte do programa de concessões e que o BNDES vai promover uma série de encontros para definir quais serão as melhores alternativas para a concessão do serviço ao setor privado.

Moreira informou que a presidente do BNDES, Maria Silvia Bastos Marques, está se organizando para fazer road shows nos estados. “Falta definir a modelagem que melhor se adequa às parcerias com o setor privado”, disse.

Hildon Chaves lembra que a falta de tratamento dos esgotos e condições adequadas de saneamento contribuem para a proliferação de doenças parasitárias e infecciosas, além da degradação da água. “Aproximadamente 50 tipos de infecções podem ser transmitidas de uma pessoa doente para uma pessoa sadia.

As crianças são as vítimas mais frequentes, vez que, associadas a subnutrição, essas doenças são geralmente fatais”. As principais doenças causadas pela falta de saneamento básico são diarréia, dengue e leptospirose.

De acordo com estudo de Instituto Trata Brasil, o Estado de Rondônia coleta apenas 3,5% do esgoto produzido, tendo em Porto Velho seu lado mais obscuro, onde irrisórios 2% são captados, sendo todo ele descartado in natura no Rio Madeira. A pesquisadora do Instituto, Aline Baldez, revela que Porto Velho não possui um plano de saneamento básico.

Outro dado preocupante é sobre o desperdício de água em Porto Velho. A cada mil litros de água que sai da estação de tratamento, apenas 300 chegam às casas. “É um realidade macabra que vamos nos empenhar para muda-la”, afirma.

Assessoria/Valbran Junior