ESQUERDA OU DIREITA ? – por Carlos Alberto

Parece que existe uma discussão homérica em torno do tema: direita x esquerda na política nacional. Partidos se digladiam em torno de projetos e plataformas de governo, bem como ideologias e bandeiras que são hasteadas em nome de alguns temas, alguns deles sem a mínima importância para a vida prática do País .

É claro que deve haver um equilíbrio de forças, entre o que governa e o que fiscaliza, e isso além de saudável é fundamental nesse processo de gestão pública, porém parece-nos que caímos no lugar comum de certas discussões, e olhamos para o que não tem importância, em detrimento do que realmente faz a diferença para o futuro da cidade, e para os problemas que afetam nosso município, estado e nação.

O representante do partido A não aceita sugestão/opinião/ideia do representante do partido B, isso fica claro nas transições de governo. Geralmente as boas práticas e projetos são relegados ao limbo do esquecimento, mesmo que representem benefícios reais para a sociedade.

É uma guerra ideológica em que os perdedores são os cidadãos que trabalham e pagam seus impostos, são os carentes e necessitados, que sofrem o maior impacto de tal postura.

Quando a nossa classe política entender que existe uma missão, um sentimento nobre que deve nortear as ações de caráter público, em prol da sociedade, esse pormenores deixarão de existir.

Enquanto nos debruçamos sobre assuntos relacionados a pão e circo, recurso utilizado pela Roma antiga para desviar a atenção do povo das questões realmente importantes para o Estado e que afetavam diretamente a vida do cidadão, continuaremos estagnados, e nossa qualidade de vida continuará comprometida.

Finalmente, entendemos que a missão maior de todo representante do povo, eleito democraticamente, é promover o bem social, através de ações concretas que reflitam em benefícios para o coletivo.

Entretanto parece que essa preocupação está distante dos nossos representantes, que insistem em legislar em causa própria, olhando para o próprio umbigo e levando a cabo um mandato sem expressão, e pior sem projetos que redundem em melhoria de fato para o povo, e para as próximas gerações.

Necessitamos urgentemente de representantes que busquem minorar as mazelas sociais, com o fomento de investimentos e politicas públicas sérias, voltadas para quem mais necessita.

Carlos Alberto Menezes da Costa

O autor é administrador, teólogo, pós graduado em metodologia do ensino superior e palestrante.