O presidente do Senado pode ter até razão nas reclamações feitas por ele contra a prisão de quatro membros da Polícia do Senado, supostamente atendendo ordens de senadores. Mas isso acabou virando um grande estopim que coloca na marca do pênalti a Operação Lava Jato, porque o senador Renan Calheiros quer fazer passar no Congresso algumas normas que vão atingir a “Lava”.

E Renan Calheiros já recebeu os afagos do deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara Federal, no primeiro caso certamente em razão da existência de muitos de seus pares, assim como os de Renan, estarem dentre os que cometeram a mesma ilegalidade, o Caixa Dois.

Numa das propostas, que trata da anistia a parlamentares que tenham feito Caixa Dois, o que já enquadra vários deles e, outra, essa direcionada mais aos juízes e procuradores federais, porque acaba com a aposentadoria compulsória de juízes e procuradores que tenham sido excluídos de suas funções, mas que, ao contrário de servidores militares e civis levam consigo seus vencimentos.

Caso a população tiver de ser chamada a opinar, certamente vai ser contra a primeira – porque beneficia quem cometeu crime; e favorável à segunda, porque se trata, sem qualquer dúvida, de um benefício que fere o princípio de que “todos são iguais perante a Lei”.
No caso que atinge juízes e o MPF, é uma autêntica queda de braço, porque do outro lado da Praça dos Três Poderes o STF tem processos que envolvem deputados federais e senadores, inclusive Renan que está em vários inquéritos, e da reunião marcada para hoje entre os presidentes da República, do STF e do Senado é que se verá para que lado vão os contendores.

Mas uma coisa parece que nem Maia ou Renan estão atentando, o resultado das urnas de 2 de outubro, quando o país deu uma dura e irrefutável resposta aos que estavam associados ao sistema que durou 13 anos, tornando seu principal representante, o PT, num simulacro daquilo que foi durante o tempo de mando. Uma lição para não esquecer, ou para não ser esquecida pelo eleitor.
Considere-se dito!

LÚCIO OPINA
Lúcio Albuquerque, repórter e membro da Academia de Letras de Rondônia