Mauro Nazif é entrevistado pelo Rondônia TV nesta segunda, 19

Candidato do PSB diz que a 'saúde sempre teve muitos problemas'. Nesta terça-feira (20), será a vez de Ribamar Araújo (PR).

Segundo o candidato, a questão da Saúde sempre foi um problema da capital e que apesar de melhorias ainda serem necessárias, muita coisa foi alcançada. “Olha, a saúde sempre teve muitos problemas e tenho certeza que Porto Velho, apesar dessas dificuldades, avançou muito.

Além de manter as Unidades de Pronto Atendimeto (UPAs), aumentamos o número de profissionais, antes eram três médicos de plantão, hoje são seis. Criamos o Centro de Referência à criança. Diminuímos para três mil casos de malária em comparação aos 12 mil que havia antes. Sempre a saúde vai precisar e nós temos que aprimorar.”

Questionado sobre a não implantação do ensino integral nas escolas do município, como prometido em plano de governo, o candidato ressaltou que investe mais do que o previsto pelo Plano Municipal de Educação (PME). “Porto Velho não conhecia o ensino integral, hoje nós temos cinco escolas em tempo integral, uma delas lá em Extrema, onde se alcançou o maior IDEB de PVH, 4,6. O PME diz que até 2020 temos que investir 30% e hoje investimos 31%. Porto Velho na primeira vez na sua história quase alcançou o índice de desenvolvimento”.

Nesta terça-feira (20), o entrevistado será Ribamar Araújo (PR). Na quarta-feira (21), o entrevistado será Williames Pimentel (PMDB). Na quinta-feira (22), a entrevista será com Léo Moraes (PTB). O candidato Roberto Sobrinho (PT) será entrevistado na sexta (23).
A ordem da série de entrevistas foi definida em sorteio.

Assista acima a entrevista na íntegra e leia abaixo a transcrição.

Ana Lídia: O primeiro entrevistado é Mauro Nazif da coligação Porto Velho Mais Forte. Boa tarde candidato, o seu tempo começa a contar a partir de agora, o cronômetro está na tela.
Mauro Nazif: Boa tarde Ana Lídia, boa tarde a todos aqui da TV Rondônia e em especial a todos os telespectadores.

Ana Lídia: A primeira pergunta é da área da Educação. Candidato, a principal reclamação da população é em relação, Educação não, Saúde, a gente espera muito mais dessa área da Saúde quando o prefeito é médico e conhece muito bem essa área. Mas é muito fácil identificar problemas como falta de medicamentos, poucos médicos e um atendimento, muitas vezes, de péssima qualidade. Porque esse problema ainda é tão grave em Porto Velho?

Mauro Nazif: Olha, a saúde sempre teve muitos problemas e tenha certeza que porto velho apesar de reconhecer essas dificuldades, nós temos avançado muito. Só pra você dar um exemplo, a própria TV Globo ela colocou uma matéria esses dias a um tempo atrás onde fala que várias capitais dos país, dos estados, estão fechando suas U PAs. Por quê? Porque houve corte de recursos federais. Porto Velho é o contrário, além de mantermos as UPAs as abertas, ampliamos o número de profissionais. Antes tinha-se 3 médicos de plantão, hoje são 6. Colocamos pediatras hoje nas UPAs, plantões no Ana Adelaide, plantões no José Adelino. Criamos o Centro de Referência para criança lá no Rafael Vaz e Silva. O número de casos de malária em Porto Velho que era de 13 mil, reduzimos para menos de 3 mil.

Ana: Mas o senhor reconhece que ainda há muitos problemas? Semana passada mesmo por exemplo um telespectador entrou em contato com a redação dizendo que visitou três postos da rede municipal e faltava tubos para a realização de exames.

Mauro Nazif: Ana Lídia, eu vou te falar o seguinte, sempre a saúde vai precisar. Não é só a saúde, todos os outros, e nós temos que aprimorar. Por exemplo, nenhum estado e nenhum município está contratando. Eu dei ordem para contratar 61 colegas médicos. Desses 61 até agora, só se apresentaram para trabalhar 19, mas nós estamos chamando. Sabemos da necessidade. Reabrimos o Oswaldo Pianna, reabrimos o Nova Floresta, Maurício Bustami, o Renato Medeiros. Então está havendo um conjunto muito forte de ações. Agora, ainda tem deficiência? Tem, eu sei disso, se não eu estaria aqui mentindo. Mas ao mesmo tempo eu sei que estamos investindo muito forte na saúde. A Constituição fala o seguinte, que nós temos que investir 15% no mínimo na saúde. Hoje o município de Porto Velho investe 25% na saúde. É saber que precisamos cada vez mais, fazermos mais.

Ana Lídia: Candidato, na eleição passada o senhor disse que faria um pronto socorro municipal. 100 dias depois de eleito o senhor disse que seria um hospital de emergência. Hoje a proposta nem consta do seu programa de governo. Porque o avanço desse projeto é tão lento?

Mauro Nazif: Não é que o avanço tenha sido lento, é que o estado lançou o Heuro. O que é o Heuro? É o Hospital de Emergência de Porto Velho. A partir do momento em que o estado lançou esse Heuro, praticamente ele tirou isso do município de Porto Velho. Então nós começamos a fortalecer as unidades básicas de saúde.

Ana Lídia: Vamos para a Educação agora. Quando eleito, o senhor falou que implantaria o ensino integral nas escolas do município. Esse projeto nós podemos dizer que avançou pouco também.

Mauro Nazif: Não diria eu avançou pouco, eu diria que avançou.

Ana: Quantas escolas têm o ensino integral?

Mauro: Porto Velho não sabia, não conhecia essa questão do ensino integral. Lá na época do Chiquilito teve uma escola que teve, mas foi desativada. Hoje nós temos 5 escolas em tempo integral, uma delas, lá em extrema, lá no distrito de porto velho, onde alcançou o maio Ideb de Porto Velho, 7.6. O quê que nós queremos? Queremos ampliar ainda mais. Nós sabemos que essa qualidade no ensino integral faz com que nós possamos ter as nossas crianças cada vez com uma educação melhor. E eu estou investindo muito forte na educação. A educação é pra ter um investimento de 25%. O que diz o PME, o plano nacional e municipal? Investir no mínimo 30%, hoje nós estamos investindo 31%. O que aconteceu? Porto Velho pela primeira vez na sua história praticamente alcançou o índice desejado pelo Ideb. Mais de 50% das escolas do município de Porto Velho hoje estão com índice acima daquilo que é exigido pelo Ministério da Educação. Qualificação, investimento nos trabalhadores da educação, melhoria nas escolas. Antes as escolas de Porto Velho eram 13 que tinham refrigeração com ar-condicionado, hoje só das escolas, são mais de 58 com ar-condicionado, fora aquelas que são as extensões. Estamos fazendo um investimento muito forte. A questão da creche, trabalhamos a questão da creche, eu tenho 21 creches pra serem licitadas. Essa licitação era a nível nacional, a empresa que concorreu lá por Brasília faliu. O quê que o governo está fazendo agora? Por ela ter falido não nos entregou essas 21 creches e o governo federal agora vai repassar para os municípios e estados do país para que essas possam fazer suas licitações locais. Só que eu não parei, eu ampliei as escolas na educação infantil, e ampliamos um número muito grande. Antes só tinha cinco na escola de ensino infantil, desculpa, antes tinham 35 escolas de ensino infantil, e hoje nós temos 73 nessa finalidade.

Ana Lídia: O senhor falou agora a pouco do IDEB, mas acessando o site do Ministério da Educação, aas 66 escolas do município, 23 estão em situação de atenção, oito em situação de alerta, e 12 não tem dados relacionados ao IDEB. Das sete capitais da região Norte, Porto Velho é a terceira com menor média, seguindo o Ministério da Educação. O senhor está contrariando esses dados?

Mauro Nazif: Não, eu estou falando o seguinte. Estou falando que praticamente nós alcançamos. Por que? Qual o índice do IDEB…

Ana Lídia: Porto Velho alcançou 4,8.

Mauro Nazif: O que é exigido? 4,9.

Ana Lídia: É uma média mínima. O ideal seria 6.

Mauro Nazif: É, eu falei isso, de maneira nenhuma eu desviei a gente disso. Praticamente nós alcançamos. Por quê? Porque a distância era tão grande… Para se ter uma ideia, o Estado que é para fazer 4,6, sabe para quanto foi o Estado? 3,5. Ao invés de melhorar, caiu. Porto Velho, nós estamos melhorando, nós estamos ampliando, porque existiu uma distância muito grande e nós temos que recuperar isso.

Ana Lídia: E na prática candidato. Quais são as ações na prática para melhorar a educação?
Mauro Nazif: É o que eu te falei, a universalização do estudo, é você fazer com que até o terceiro ano as crianças estejam alfabeltizadas, cursos de formação para os professores, a valorização dos trabalhores, salas com melhores condições, ampliação do número de salas de aula, e nós ampliamos. Só para se ter uma ideia em termos de número, antes, Porto Velho, nos últimos oito anos antes de eu assumir, tinha ofertado aproximadamente 9,4 mil vagas em oito anos. Na nossa gestão, em três anos e meio, nós ampliamos para mais de 10,8 mil vagas. Então nós estamos retomando muitas coisas que poderiam ter acontecido lá atrás. Agora, tudo isso a gente vai tendo o crescimento gradativo e tudo que você falou eu já tinha reiterado antes.

Ana Lídia: Candidato, quando eleito, o senhor disse que a primeira coisa que iria fazer era acabar com a alagação. Seria a principal bandeira de sua gestão. Por que esse problema ainda atrapalha bastante a vida do portovelhense.

Mauro Nazif: Olha, uma cidade plana Porto Velho. Saneamento básico são quatro itens que a gente enumera: lixo, drenagem, água e esgoto. O lixo nós chamamos a responsabilidade e nós temos certeza que todo telespectador deve estar vendo a melhoria na coleta do lixo na frente da sua casa. Segundo, busquei a responsabilidade de fazer a drenagem da cidade. Em nenhum momento, Porto Velho, em suas gestões anteriores teve essa preocupação de fazer aquilo que não dá voto. Olha, o piso aqui da TV Rondônia é bonito, o que é que tem aqui embaixo desse piso? Ninguém sabe. A mesma coisa é a drenagem. O que é que se tem embaixo do asfalto? As pessoas não vêem. Então eu estou investindo muito forte em algo que não dá voto, que é fazer a drenagem da nossa cidade. Junto com isso, um asfalto de qualidade e reduzimos muito fortemente a questão de uma cidade que é alagada. Tem pontos para serem feitos? Não tenho dúvidas que temos pontos para serem feitos. Mas já avançamos muito, referente ao início de três anos e meio quando assumimos a cidade. E lembrar o seguinte, no meu primeiro ano, Porto Velho não tinha maquinário para fazer nada. Adquirimos todo o maquinário inicialmente, e hoje, o investimento na cidade é muito forte dentro desse aspecto.

Ana Lídia: Bom candidato, quando eleito o senhor disse que quebraria o monopólio do transporte público. O senhor substituiu o consórcio, mas esse monopólio continua, essa concessão é temporária. Por que esse problema não foi resolvido de forma definitiva? O senhor tem um minuto e nove segundos.

Mauro Nazif: Em relação a essa questão, nós quebramos o monopólio. Só não entende isso quem não quer. Portto Velho quebrou o monopólio das empresas que estavam aqui há mais de 20 anos e não recolhiam impostos. Quebramos o monopólio. vieram novas empresas, melhorou o transporte coletivo e sabemos que temos que melhorar ainda mais e isso vai acontecer na licitação definitiva de Porto Velho, que agora nós podemos fazer. Então pessoal, já estou nos meus segundos finais. Quero aqui agradecer a todos vocês pela oportunidade de estarmos conversando e pedir o apoio para renovarmos a nossa reeleição. Um abraço, 40.

Ana Lídia: Obrigada Candidato.