Menina de três anos passa praticamente um dia sozinha ao lado do corpo da mãe assassinada

Uma menina de apenas três anos foi a única testemunha de um crime brutal, ocorrido entre a noite e madrugada desta terça-feira (5), no Jardim Acrópole, no bairro Cajuru, em Curitiba. Ela passou quase 24 horas ao lado do corpo da mãe, esperando que ela levantasse, sem entender o que havia acontecido.

A cunhada de Ana Cristina Borges, de primeiro nome Sueli, deu falta dela durante a manhã de terça-feira e resolveu arrombar a porta da casa durante a noite, tendo uma terrível surpresa.

“Cheguei de manhã e chamei ela, mas não atendia. Daí às 19h ela não apareceu e eu arrombei. Quando entrei, a menina estava lá, como querendo mamar ainda, porque ela mama no peito. É muita dor que estamos sentindo”, disse.

Para a cunhada, não há dúvidas quanto a autoria do crime, já que a própria garota mostrou o que o pai teria feito com a mãe. “Foi o ex-marido dela que fez isso. Para fumar pedra, acredito que foi ele quem fez isso”, lamentou a cunhada.

A vítima era protetora de animais e trabalhava em uma ONG nesse segmento. O casal foi casado por cinco anos, mas passaram a ter muitas brigas por conta do vício das drogas dele. De acordo com informações de familiares, ele havia saído de casa para a Praça Rui Barbosa, região Central de Curitiba, para usar drogas e voltava vez ou outra para levar dinheiro da vítima, de 39 anos.

O Conselho Tutelar foi acionado e a pequena garotinha ficará sob guarda de familiares. A Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) investiga o caso.