Oito pessoas são presas na Blitz da Lei Seca realizada em Porto Velho

Agente penitenciário foi preso após dirigir embriagado e causar acidente. Duas pessoas se recusaram a fazer o teste do bafômetro.

Operação Lei Seca, foi realizada na madrugada deste domingo (18) em Porto Velho (Foto: Hosana Morais/G1)
Operação Lei Seca, foi realizada na madrugada
deste domingo (18) em Porto Velho
(Foto: Hosana Morais/G1)

Sete homens e uma mulher foram presos na Blitz da Operação Lei Seca realizada na madrugada deste domingo (18) na Rua Buenos Aires entre as Avenidas Pinheiro Machado e Vieira Caúla em Porto Velho. A blitz foi realizada pela Companhia Independe de Trânsito da Polícia Militar e o Departamento de Trânsito de Rondônia (Detran-RO). Dois dos oitos condutores se recusaram a fazer o teste do bafômetro.

Em um dos casos um motorista de 33 anos foi preso por estar com o documento do veículo atrasado e dirigir alcoolizado. Durante a abordagem foi solicitado que ele fizesse o teste do bafômetro, que apontou 0,36 mg/l , o homem foi preso em flagrante e levado para a Central. O veículo foi removido ao pátio do Detran-RO.

Uma jovem de 26 anos também foi abordada na blitz e se recusou a fazer o teste do bafômetro. Segundo a PM ela apresentava sinais de embriaguez como ironia, álcool no hálito, dificuldades no equilíbrio. O carro foi liberado para um amigo habilitado e ela foi presa por dirigir embriagada.

Um agente penitenciário de 44 anos também foi preso por embriaguez ao volante, segundo a PM ele estava dirigindo quando bateu em um motociclista na Avenida Campo Sales. Após a batida os condutores desfizeram a cena e não foi possível realizar perícia. O motorista foi convidado a fazer o teste do bafômetro, mas recusou. Ele aparentava sinais de embriaguez como fala alterada e dificuldades para ficar em pé. Os danos foram apenas materiais. Ele foi preso por dirigir embriagado.

Ao todo nove pessoas foram presas por embriaguez ao volante em Porto Velho, todos eles foram levados para a Central de Flagrantes.

Lei Seca
É considerado crime quando o motorista é flagrado conduzindo veículos com índice de álcool no sangue superior a 0,34 miligrama de álcool por litro de ar expelido ou 6 decigramas por litro de sangue.

A pena de detenção pode variar de seis meses a três anos, multa e suspensão temporária da carteira de motorista ou proibição permanente de obter a habilitação. O Código de Trânsito Brasileiro estabelece multa de R$ 1.915,40, além de sete pontos na carteira. Os condutores também têm a CNH apreendida. Se o motorista tiver cometido a mesma infração nos 12 meses anteriores, o valor da multa é dobrado.