Um pai que filmava a apresentação de uma banda na Avenida Paulista, no último domingo (23), registrou sem querer o momento em que um homem pega no braço de seu filho, de 5 anos, e tenta levá-lo. A mãe da criança, que também os acompanhava, disse que tudo aconteceu “muito rápido”.

A família, que preferiu não se identificar, aproveitava que a via estava fechada para os veículos, como acontece em todos os domingos, para um passeio. O que seria um momento de lazer, no entanto, acabou com um grande susto. O homem chegou a levar a criança consigo por alguns metros até que foi parado pelos pais atentos à movimentação.

A mãe conta que, enquanto o pai assistia à apresentação de um grupo musical, ela estava com a criança e o cachorro na calçada ao lado. O filho viu uma banca próxima e pediu para mãe ir até o estabelecimento com ele para que pudesse escolher um gibi.

“Falei: ‘Vai lá e avisa teu pai que a gente vai na banca’. Estava vendo e, quando ele foi, em uma questão de um, dois segundos, esse homem puxou o meu filho pelo braço e saiu andando”, relembra ela. Segundo a mãe, o marido também percebeu a ação do desconhecido pela câmera do celular que usava para gravar o show de rua e correu atrás.

“Na hora que meu marido conseguiu alcançar os dois, ele puxou o meu filho, o rapaz soltou e falou: ‘Não. Estou brincando. É uma brincadeira. Sou doente e tal'”. De acordo com o relato da mãe, o homem disse que tinha problemas psiquiátricos e logo começou a fugir. Ainda atônitos, os pais não impediram. “Na hora, fica sem reação. A gente só queria ir embora. A gente não conseguiu achar, não conseguiu levar ele pra polícia e nada disso”.

Vigilância constante
Para o especialista em segurança Coronel José Vicente da Silva é justamente a sensação de segurança, como a que Avenida Paulista sem carros passa, que faz com que as pessoas acabem relaxando na vigilância.

“Nesses locais, seja na Avenida Paulista, em uma praia lotada, os pais precisam olhar suas crianças o tempo todo. É o 24/7 que nós chamamos. 24 horas por dia, sete dias por semana. Um pequeno vacilo, frações de segundo, a criança pode se ferir ou alguém pode sequestrar”, alerta.

Para a mãe, o zelo com o filho foi o responsável por impedir que ele fosse levado pelo estranho. “Falei: ‘Vai ver o pai’, e não tirei o olho. Continuei vendo, acompanhando o caminho dele com o olhar e meu marido também viu. A nossa atenção talvez tenha salvado”, relata.

Vídeo
O vídeo que o pai fazia da apresentação musical mostra o momento em que o homem segura a mão da criança e acelera o passo. Ele anda rápido, mas é possível ver, no canto direito, até a blusa azul do filho do casal.

O pai percebe e sai correndo atrás do homem com o celular na mão. O aparelho segue gravando. O estranho é alcançado e o áudio da rápida conversa entre ele e o pai foi captado. “Está indo aonde?”, pergunta o pai. “Estou brincando”, responde o desconhecido. “Que brincadeira é essa, mano?”, confronta o pai.