A queda do avião da LaMia com o time da Chapecoense, na Colômbia, marcou a semana passada.
Comoção mundial, ofuscou inclusive as propaladas cerimônias fúnebres de Fidel Castro.
Pois é…
Teremos que esperar a criteriosa análise dos especialistas para saber os motivos da queda da aeronave.
Apesar das evidências, quem gosta de aviação sabe que não é prudente emitir opiniões sobre acidentes desta natureza, antes de algum parecer técnico credenciado.
Foi curioso, entretanto, ver a quantidade de especulações – e bobagens – veiculadas na imprensa sobre as prováveis causas do acidente.
Especialistas em tudo, escreveram e palpitaram sem cerimônias, contribuindo para aumentar o pânico naquele que, por alguma razão, tem medo de voar.
Infelizmente, é sempre assim.
Falar pelos cotovelos deve ser um defeito de fabricação do ser humano.
Tal falha parece amplificar na classe política, nacional e internacional.
Se Hugo Chávez estivesse vivo, sabendo que a aérea LaMia nasceu venezuelana, possivelmente diria que foi um atentado da CIA.
E por aí vai…
Segue a vida, entretanto, sinalizando que – assim como pilotar aviões – pilotar palavras exige prudência e zelo.

celsoCelso de Almeida Jr
Empresário do setor educacional e especialista em processos gerenciais. Colaborador do CanalR1, mantém o blog Letras do Celso Visite:  www.letrasdocelso.blogspot.com