Os pavilhões das unidades prisionais de Porto Velho estão sendo revistados pelo Batalhão de Policiamento de Choque e equipes de Força Tática das Unidades, enquanto os presos são separados pessoalmente pelo interventor militar nos presídios da capital nesta sexta-feira (25). Os presídios de todo o estado estão sob intervenção desde a quinta-feira (24).

Segundo nota divulgada pelo interventor geral da PM-RO, coronel Fábio Alexandre Santos França, cada unidade prisional da capital “tem uma equipe empenhada, composta por policiais militares e agentes, que estão realizando toda mudança de rotina necessária para que haja o reestabelecimento da ordem”.

O governo diz que as revistas nos pavilhões fazem parte de um primeiro plano e ocorre dentro do planejamento do Comando da Polícia Militar de Rondônia.

Após as revistas, os presos da capital estão sendo separados e tendo contato direto com o interventor. “Todo o controle de contagem dos apenados e checagem por nomes estão também sendo realizados quanto ao retorno dos mesmos às celas revistadas, visando viabilizar uma intervenção segura”, diz o governo através da nota.

Governo de RO decreta intervenção da PM em presídios

O objetivo do governo com a intervenção é retomar o banho de sol dos presos e outros direitos garantidos na lei.

Conforme o governo, reuniões administrativas para o alinhamento das determinações da Intervenção Geral estão ocorrendo com todos os diretores gerais, administrativos e interventores do sistema prisional no estado.

Mulheres montam barricada

Dezenas de mulheres de presos fecharam a Estrada da Penal, nesta sexta-feira (25), para protestar contra o bloqueio feito pela Polícia Militar (PM) para impedir o acesso de familiares ao complexo de presídios em Porto Velho.
Usando pedaços de madeira e pedra, familiares dos apenados fecharam a estrada por volta de 10h (local). A barreira das mulheres foi feita antes do bloqueio militar na Estrada da Penal.

Minutos depois da barricada ser montada na estrada, motoristas e policiais retiraram os objetos e liberaram o tráfego de veículos na via.

Por que a PM faz bloqueio na Estrada da Penal?

O bloqueio militar na Estrada da Penal começou depois do governador coronel Marcos Rocha (PSL) decretar uma intervenção em todos presídios do estado, por causa do baixo efetivo de agentes, mobilizados desde a semana passada em um ato ‘grevista’.

Soldados da PM fizeram uma barreira a cerca de um quilômetro da unidade prisional da capital. Apenas agentes penitenciários e outros servidores podem ultrapassar a barreira para seguir até o Urso Branco.

Motim no Urso Branco

Na quinta-feira (24), por causa da proibição de visitas nos presídios, os detentos do regime fechado fizeram um motim no presídio Urso Branco em Porto Velho.

Do lado de fora do presídio, mulheres de presos bloquearam dois pontos na Estrada da Penal, onde fizeram um manifesto durante todo o dia. Foi ateado fogo em objetos no presídio da capital. Não foi divulgado se alguém se feriu.
Fonte: G1 RO