Professores deflagram greve em protesto contra reforma previdenciária

Greve está sendo feita por servidores da rede estadual, em Porto Velho Se a Câmara Federal rejeitar PEC, paralisação acaba em 28 de março.

Paralisação dos professores teve início nesta
quarta-feira, 15, durante ato contra a Reforma da
Previdência (Foto: Hosana Morais/G1)

Professores da rede estadual de Porto Velho decidiram parar as atividades por tempo indeterminado, nesta quarta-feira (15). A greve geral, que busca adesão de profissionais do estado e do município, foi convocada pelo Sindicato dos Trabalhadores em Educação no Estado de Rondônia (Sintero). Segundo o presidente da entidade sindical, Manoel Rodrigues da Silva, a greve está sendo feita contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da Reforma Previdenciária.

A paralisação dos professores estaduais teve início nesta manhã, durante uma passeata que reuniu centenas de trabalhadores dos diversos setores da sociedade, na região central da capital.

Manoel Rodrigues explicou que a greve é por tempo indeterminado, mas pode terminar no próximo dia 28 de março, quando deve acontecer a primeira votação da PEC 287/16 na Câmara Federal. “Se os deputados rejeitarem a proposta, não há motivo para continuar a greve”, explicou.

Os professores do município não devem aderir ao movimento grevista, por enquanto, segundo afirmou a vereadora Elis Regina, que preside o sindicato dos servidores do município de Porto Velho.

“Estamos em uma rodada de negociação com a prefeitura sobre o quinquênio. Teremos uma reunião com o prefeito na próxima terça-feira (21) e, até lá, não faremos nenhuma paralisação”, explicou a parlamentar.

Em nota, a assessoria do Sintero informou que as atividades do movimento terão continuidade nesta quinta-feira (16), a partir das 8 horas da manhã, com concentração na sede do sindicato.

Para ter adesão de todos os professores, Manoel Rodrigues informou que será feito trabalho de conscientização e mobilização nas escolas. Segundo ele, a classe trabalhadora precisa sair às ruas para demonstrar sua insatisfação em relação às reformas propostas pelo Governo Federal.

Além da greve, junto a outras categorias, os professores devem participar de reunião com deputados federais na próxima segunda-feira (20), em Porto Velho, para que os parlamentares se comprometam a votar contra a aprovação da PEC.

De acordo com a assessoria, o movimento grevista convidou todos os deputados federais para o encontro a ser realizado na sede do Sintero. Na ocasião, os parlamentares serão convidados a assinar um termo de compromisso, em que se comprometem em votar contra a aprovação das reformas, especialmente a reforma da previdência.