Após a capacitação de profissionais da área de educação de Porto Velho e servidores do Estado de Rondônia, no mês de novembro, o aplicativo que identifica Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade, o Tdahmente pôde ser alcançado por mais pessoas, sendo baixado por mais de 5 mil usuários. O app está disponível no play Store.

Com esse novo número de acesso foi verificado novas mudanças no app que poderão ser feitas em 2019. Uma delas é o uso por adultos, além das crianças e jovens que já usam o benefício dentro da ferramenta. O aplicativo é idealizado por alunos do Instituto Estadual Carmela Dutra e coordenado pela Superintendência do Estado para Resultados (EpR), com essas alterações dentro do sistema é possível que o aplicativo atenda outras necessidades especiais como; baixa visão, autismo e alta habilidade.

Segundo o coordenador do projeto Tdahmente, Cleiton Araújo, outras mudanças que vão fazer parte do aplicativo é a metodologia de perguntas, já que no próximo ano o app terá um alcance maior, além disso, também será implantado novas ferramentas de interação e jogos no sistema. “Como o app sofrerá essas mudanças, vimos que é preciso fazer essas alterações para o trabalho continuar com o êxito que vem tendo”, afirma Cleiton.

O Tdahmente é um aplicativo que indica possível diagnóstico para o Transtorno do Déficit de Atenção de Hiperatividade (TDAH), o projeto ganhou notoriedade após receber premiações na Feira de Rondônia Científica de Inovação e Tecnologia (Ferocit), 24º Congresso Internacional de Educação e Prêmio Professores do Brasil promovido pelo Ministério da Educação.

Após ser absorvido pela EpR foi aprimorado e desde então o projeto Tdahmente tem recebido novos recursos com a produção de novos jogos para crianças e adolescentes com TDAH é o que nos fala o Superintendente da EpR, Ricardo Favaro. “Com parceria da Associação Brasileira do Déficit de Atenção (ABDA) e Secretaria de Estado da Educação (Seduc) o resultado e abrangência só têm aumentado” afirma.

O aplicativo auxilia pais, professores e alunos a identificar os sintomas que podem indicar um possível diagnóstico TDAH. A partir da capacitação realizada em novembro de 2018, a parceria com a diretoria científica da ABDA o aplicativo recebeu recomendações científicas, que foi modificado e possui nova metodologia de diagnóstico não gerando resultado falso-positivos, e como novidade agora o APP indica diagnóstico para o TDAH Combinado, quando a criança e adolescente possui Déficit de Atenção e Hiperatividade no mesmo teste.

Fonte: Secom