TOCANTINS: Prefeito de Taguatinga é cassado pelo TSE; cidade deve ter novas eleições

Paulo Roberto Ribeiro teve as contas rejeitadas pelo Tribunal de Contas. Ele disse que lançará novo candidato para as eleições.

Em breve, a cidade de Taguatinga, região sul do Tocantins, deve ter novas eleições. É que o prefeito que foi vitorioso nas eleições 2016, Paulo Roberto Ribeiro (PSD) teve o registro de candidatura indeferido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O julgamento foi realizado em sessão desta terça-feira (14). Ele já foi prefeito no município e teve as contas rejeitas pelo Tribunal de Contas da União.

O TSE disse que após essa decisão, o Tribunal Regional Eleitoral deve providenciar novas eleições e editar as resoluções do novo pleito. Oportal procurou o órgão e aguarda um posicionamento.

O político disse que recebeu a notícia com tranquilidade. “A vida é assim, você pode ganhar e perder. Perdemos nosso recurso, poderíamos interpor outro, mas não vamos fazer isso porque a cada dia que passa a situação da cidade fica mais complicada”.

Ribeiro já concorreu as eleições com o pedido de registro de candidatura indeferido com recurso. Mesmo assim, teve 3.001 votos, sendo o candidato mais votado no município. Mas, o cargo acabou sendo ocupado pelo presidente da Câmara de Vereadores, pois a votação recebida por Ribeiro permaneceu anulada até o julgamento do recurso pelo TSE.

“A população fica decepcionada porque o voto tem de ser soberano. Meu registro foi deferido na Comarca de Taguatinga e quem sabe mais da trajetória do político é o próprio juiz da Comarca”, disse.

Ribeiro disse ainda que vai lançar um novo candidato e complementou: “E vamos ganhar as eleições”.

Julgamento
Ribeiro foi cassado porque teve as contas rejeitas pelo TCU quando ele era gestor do município. O Tribunal Eleitoral do Tocantins já havia indeferido o registro de candidatura. Agora, os ministros do TSE mantiveram o entedimento.

A ministra do TSE Rosa Weber, relatora do caso, disse que a interposição de recursos perante o TCU “não afasta a naturaza irrecorrível da decisão que rejeitou quatro contas em quatro processos distintos”.