FOTO: Divulgação

Nesta semana, o Tribunal de Justiça de Rondônia determinou que a tornozeleira eletrônica usada pelo ex-vereador Wanderlei Graebin (FOTO) desde 2017, quando foi preso, seja retirada. O mesmo pedido feito ao STJ, em Brasília pode resultar na mesma ordem em relação a outro ex-vereador igualmente preso naquela época: Jairo Peixoto.

Com estas decisões, a defesa de outros ex-parlamentares devem entrar com pedidos para que o benefício seja estendido a eles. Atualmente, são também monitorados eletronicamente os ex-vereadores Júnior Donadon, Marta Moreira, José Garcia, Carmozino Taxista e Marcos Cabeludo. Todos são investigados, acusados de receber vantagens para aprovar empreendimentos imobiliários em Vilhena que passaram pela Câmara.

O último citado (Cabeludo) é alvo de uma CPI na Câmara, e continua exercendo o mandato, recebendo salários, mesmo proibido de comparecer à Casa. Célio Batista, que sobreviveu a outra CPI, se livrou do monitoramento e está em pleno exercício do cargo.

INCIDENTE
Morando na cidade de Pontes e Lacerda, no Mato Grosso, a cerca de 400 km de Vilhena, a ex-vereadora Marta Moreira levou um susto dias atrás. Para manter sua tornozeleira em funcionamento, ela colocou o equipamento na tomada mas, por algum defeito, ele acabou explodindo. Marta, que voltou a estudar e comanda uma pequena creche na cidade matogrossense, não se feriu.

 

FONTE: Folha do Sul Online