Um vídeo que está sendo compartilhado no Facebook levanta um questionamento sobre as punições de grupos de crime organizado com pessoas de uma comunidade ou ainda com seus próprios membros. A gravação, que já conta com 78 mil visualizações, mostra um grupo de criminosos punindo uma mulher com uma ação já conhecida: cortando o cabelo da vítima. O que também chama atenção é a motivação que levou aos homens a fazer aquilo. A punida, que chora e implora a todo momento, tinha adicionado o membro de outra facção no Facebook.

“Por que que tu tem ele no teu Face?”, é a primeira frase que se pode ouvir de um dos criminosos no vídeo que conta com mais de cinco minutos. Quase que no mesmo momento, pode-se perceber que a mulher leva um golpe na cabeça de um suspeito que está com uma arma na mão. Para tentar despistar, a punida apenas tenta dizer que não tem ninguém na rede social dela, como a estão acusando. Logo em seguida, os homens começam com o ato de cortar o cabelo da mulher. Enquanto isso, o líder começa a mandar que ela repita o que ele disser.

Como é reafirmado, tudo isso acontece porque a mulher estava conversando com membro da outra facção, o que parece realmente indignar os homens. Em meio ao vídeo, o líder, que fala praticamente a todo momento, aproveita para provocar o grupo rival, dizendo que eles apenas estão esperando o confronto. “Pede pro Canela vir te salvar agora”, dizem os criminosos enquanto cortam o cabelo da punida. Ao que dão entender no vídeo, a mulher tinha em seu Facebook um membro do grupo Comando Vermelho (CV).

Na tentativa de sensibilizar os traficantes, a mulher lembra que tem filhos, logo depois que a ameaçam de morte. No entanto, o líder do grupo parece ficar ainda mais bravo. O homem começa a dizer que ela deveria lembrar dos filhos antes de conversar com o membro de outra facção. A punida continua a chorar, mas o grupo não se importa e segue cortando o cabelo. O objetivo é deixar ele raspado, para que ela se lembre de não cometer mais esse tipo de erro.

O vídeo dividiu opinião nas redes sociais. Alguns internautas acharam a punição exagerada, ainda mais que muitas pessoas adicionam no Facebook sem perceber quem estão aceitando. Já alguns acreditam que a mulher aceitou entrar na vida do crime e por causa disso, deve enfrentar as consequências.