O advogado Manoel Elivaldo Batista de Lima Júnior, que confessa integrar a facção Comando Vermelho após aparecer em um vídeo no WhatsApp manuseando uma submetralhadora, foi preso preventivamente na manhã desta sexta-feira, 24, pela Polícia Civil do Acre, que cumpriu mandado expedido pela Justiça. Ele prestou depoimento pela manhã ao delegado Alcino Júnior.

Ele também teve sua inscrição na Ordem dos Advogados Brasil suspensa preventivamente por 90 dias.

Em sua decisão, a OAB no Acre lembra que o artigo 31 da Lei Federal n. 8.906/94 (Estatuto da Advocacia) estabelece que “O advogado deve proceder de forma que o torne merecedor de respeito e que contribua para o prestígio da classe e da Advocacia”.

“Advogado que deliberadamente grava e divulga mídia proclamando “sou bandido mesmo”, vinculando a odiosa expressão ao sagrado direito da advocacia deve responder por sua malsinada conduta e, para tanto o Tribunal de Ética e Disciplina in continenti instaurou o devido Procedimento Administrativo Disciplinar para que, respeitado o direito de defesa do profissional, responda por seus atos em processo adequado de julgamento”, diz a decisão.

A própria classe exigiu a suspensão do advogado devido a repercussão negativa das imagens.

“Diante da gravidade dos fatos, as declarações do profissional tomaram proporções assombrosas, repercutindo negativamente no conceito da classe que estupefata exige medida imediata visando guarnecer a profissão e a credibilidade que os profissionais da advocacia nutrem perante a sociedade.”